sábado, 2 de abril de 2011

a.C and d.C

Vou contar a história de alguém que eu gosto muito, uma menina, na flor da idade, jovem, e bonita... Seu principal defeito era a sua insegurança.
Tinha medo da opinião das pessoas ao seu respeito, e a cada dia fazia de tudo para que todas essas pessoas ao seu redor percebessem a sua presença.
Chegou a um estado alarmante, aonde mentia para satisfazer as pessoas, contava histórias que nunca havia acontecido, inventava seres que nunca existiram... tudo para que os outros a notassem. Pois seu maior desejo era ser desejada.
Ela tinha amigos, vários. Mas poucos eram os que se salvavam. E essa garota, sem sombra de dúvidas, preferiu a maioria, tal qual não era a melhor opção, mas sim a mais fácil.
Conheceu garotos, que a fizeram de idiota, como ela fazia com todo mundo. Fez amizades novas, amizades com intuitos diferentes.
Conheceu muita gente, a maioria não tinha boas intenções, e essa menina? Bom, a maioria é mais fácil...
E lá foi ela novamente.
Passou-se um tempo, embora não tivesse mudado, ela já não sabia o que fazer. Suas amizades banhavam-se em um mar de falsidade, e todas as pessoas que havia conhecido, foram enterradas junto com todas as que haviam sido criadas. E ela foi junto, pois eram a maioria...
O tempo corria, e sua cabeça continuava a imaginar o que os outros achavam dos si. E não deixava de impressionar a todos, isso acabou se tornando um vício, um vício irrevogável, fazer as pessoas rir ou chorar, lhe dava prazer;
Apesar de tudo, ainda havia pessoas que se preocuparam com o bem estar daquela pobre menina, que ainda não tinha consciência dos seus próprios atos. Mas eram a minoria, e a minoria não lhe despertava interesse.
Alguns meses correram feito vento... E aquilo se repetia a cada dia, sua rotina era feita de mentiras.
Sua família já estava desgastada, e todo dia havia algo que impedia de se ter paz em sua casa.
Se não era as mentiras, era rebeldia, e o "poder" que ela achava que tinha sobre tudo "-Ora bolas, se eu domino a maioria, porque não posso atrair essa tal de minoria?"
E o pior, é que essas "rebeldias" atraiam ao seu pai, atraia a tristeza e a decepção, ver a filha naquele estado, ter batalhado tanto para fazê-la ser uma grande pessoa, e a única coisa que podia enxergar era seus planos depositados a ela se transformarem em picadinhos e voarem com um sopro.
Na cabeça dessa jovem, o que prevalecia era "-Odeio meu pai, minha mãe, meu irmão, eles realmente não entendem, só quero ser amada"
Mesmo que todos tentavam convencê-la de que para ser amada, é preciso amar também, ela achava tolice, caretice. Mas nunca deixou de sonhar com uma vida igual a essas que passam em novelas ou filmes...
Quando mais sonhava com isso, mais se deixava levar pela ilusão de querer ser perfeita aos olhos dos outros.
Ao decorrer do tempo, as histórias que ela contava já não tinham mais graça, as pessoas que ela inventara já eram conhecidas por todos... E sua personalidade também.
Suas máscaras tinham começado a cair, sua criatividade para inventar histórias felizes já havia sido apagada, sua mente não era mais a mesma, era conturbada com o enorme desejo de ser “algo”, e quando se deu conta, pouco eram seus amigos, sobrou a breve minoria, e mesmo assim, ela, com sua total falta de humildade preferiu ficar sozinha, seu orgulho constante lhe transformou em um alguém fosco.
Quando ia dormir sua consciência não dava folga, aquilo furava suas idéias, e quando pensava em criar novas histórias, apagava por mais ou menos 8 horas.
A confiança de seus pais já havia perdido fazia um bom tempo. E toda vez que ganhava um não, era motivo de briga, ou de ofensa.
Ela realmente estava cansada te tudo.
Então, quando tudo parecia perdido, ela conhece uma coisa que para muitos é algo surreal.
Ela entrou em um coração, em forma de casa, nem ela tinha entendido. Depois de muito tempo ela descobriu o que era uma Igreja.
Começou a freqüentar, e no começo estava super animada, mas com o passar do tempo, as lutas e as dificuldades começaram a apagar a sua fé, e ela se afastou do grande lar.
E a sua rotina voltou, seus “amigos” voltaram, sua “família” também. Toda a noite ao se deitar rezava um pouco, mas seus pensamentos não estavam nas intenções, e sim no que iria acontecer no próximo dia.
Aquelas baboseiras reapareceram, e as pessoas começaram a descobrir o que ela era. O tempo passou, e ela foi entendendo que o mundo é feito de realidade e não de ilusão, no decorrer das semanas ela parou de falar, parou de se enturmar, só falava com quem lhe dirigia a palavra, não puxava assunto com ninguém, male mal saia de casa, e quando saia era pra fazer algum favor aos pais.
Vários meses passaram... Um dia sua mãe lhe encarregou de alguns serviços, coisas mínimas, mas que para essa menina, era o fim do mundo, achava que isso era tarefa da empregada. Ficou revoltada, e enquanto varia a casa chamava por Deus com o seguinte “- Deus, se tu és tão grande assim, porque não me ajuda? Porque não tira essa tristeza de mim, arranca o que me faz mal,  traz amigos verdadeiros pra minha vida, e calma pra minha casa?” Enquanto suplicava por uma resposta, jorrava em lágrimas, em seu pensamento: “-Deus, me ajude, faça isso por mim”. Quando percebeu estava ajoelhada em meio toda sujeira que antes havia juntado com a vassoura. “-Deus, cadê você?”
No seu pensamento ouviu um barulho, pareciam orações, mas indecifráveis.
Quando finalmente limpou as lágrimas que agora pingavam no chão, ouviu algo em seu coração, sim, era o Majestoso, era o Deus que estava ali no seu coração, mas que ela nunca tinha o visto antes, ela se entregou e acreditou que ele tinha algo a dizer, ficou em silêncio, e as vozes cessaram. Aquelas lágrimas voltaram, e Deus falou em seu coração “-Minha filha, porque choras enquanto pode estar clamando a mim? Minha amada saiba que se eu tivesse forças eu resolveria tudo para você, pois filha, eu carreguei uma cruz com o peso do mundo sobre as minhas costas, então forças é o que me falta nesse momento, pois você sabe do que se estabelece minha força? basta se entregar a mim, e eu lhe darei a resposta, e lembre-se, ninguém te ama como eu.”
Nessa hora a menina ficou abismada, parada, mas consciente de tudo o que tinha ouvido. Ficou mais alguns minutos ajoelhada chorando. Estava tão completa, e não dava para disfarçar sua alegria, pois pela primeira vez em sua vida, tinha se sentido completamente amada, era um sentimento do qual nunca tinha passado pela sua cabeça que pudesse sentir. E nesse momento descobriu “o verdadeiro sentido que tudo tem, a cada coisa e a cada momento”.
Os dias passaram, e sua vontade de ver Deus novamente não tinha cessado. Participou de vários encontros, aonde conseguia ouvir claramente o que Ele queria lhe dizer.
Virou devota a todos os santos, e ao único Deus que agora constituía a sua história inteira. Entrou para um grupo aonde encontrou outras pessoas que já haviam sentido o mesmo amor que havia recebido a meses atrás. Fez amigos de verdade, encontrou “anjos” que transformaram a sua vida em pura alegria. E hoje faz parte de um só grupo, que não abandona esse amor jamais.
Essa menina de quem eu gosto tanto é hoje quem lhe conta essa história. Sim, EU MESMA, e TENHO O ORGULHO de fazer parte da minoria que nos cercam. E é claro que eu tenho a maior vontade de ajudar que já passou por isso também, eu sei por experiência.
Meus amigos hoje são “meus amigos mesmo”, minha família hoje se desentende as vezes, mas o nosso Senhor, o nosso guardião, nunca irá nos abandonar, e assim vamos levando a nossa vida, agora uma vida dedicada a quem realmente pode me julgar, e eu agora só me preocupo com o que Deus vai achar de mim, e para tudo isso, eu clamo a ele, e o amo, não por obrigação, mas sim por que é isso que diz meu coração.
Pois o verdadeiro Deus só irá aparecer claramente em nossas vidas a partir do momento em que ... Bom meus caros, só ELE irá lhe responder essa questão, então, ACREDITE, E SE ENTREGUE.
Eu amo você Senhor. ♥
~~
Senhor, preciso te dizer que é impossível me esquecer, que não estou só nesta batalha entre o bem e o mal, a cada nova experiência, eu te glorifico mais, te ter é a maior diferença em mim, se os bons combates eu não combater, minha coroa não conquistarei. Se minha carreira eu não completar de que vale a minha fé tanto guardar. Se perseguido aqui eu não for, sinceramente um cristão não sou, a Tua glória quero conhecer, ver a experiência de sobreviver... Viver pra mim é Cristo, morrer pra mim é ganho. Não há outra questão, quando se é cristão, não se para de lutar, triunfarei sobre o mal, conquistarei troféus. Não há outra questão, quando se é cristão, não se para de lutar... até chegar ao céu
Se calarem o som da minha voz, Em silêncio estarei a orar, se numa prisão me colocar, eu vou te adorar
Se minha família me trair, eu vou sonhar com Deus, viver seus planos isso é parte, de uma carreira de cristão ♪                               Viver pra mim é Cristo - Pe. Fábio de Melo.




Dedico a minha história ao meu pai, aquele que me criou, e que soube me conduzir até o que sou hoje. Obrigado Pai, eu te amo com todas as minhas forças

(Maísa Peracchi)

Nenhum comentário:

Postar um comentário